Cigarro

Como parar de fumar maconha: 7 dicas que podem ajudar

Largar um vício requer força de vontade e, em muitos casos, ajuda especializada. Para auxiliar você em sua jornada, hoje eu trago dicas de como parar de fumar maconha. Confira:

  • Perceba como a planta afeta sua vida – antes de tudo, é importante fazer uma autoanálise. Além de danificar seu organismo, normalmente, o consumo da droga provoca preguiça, falta de iniciativa e de disposição para certas situações sociais, principalmente com quem não tem o mesmo hábito que você.
  • Tenha em mente que o vício não compromete somente sua saúde física, mas também deixa você mais propenso a distúrbios psicológicos, tais como ansiedade, depressão e esquizofrenia. Sabe a sensação de prazer que a maconha provoca? Ela acontece por causa da liberação de serotonina, uma substância química produzida no cérebro.

O problema é que quanto mais tempo você permanecer fumando a erva menos serotonina seu organismo produzirá. Resultado: você sentirá menos felicidade e mais desejos. O que pode abrir portas para outros vícios ainda mais fortes.

  • Aprenda a lidar com seus problemas e pensamentos negativos – e se não conseguir fazer isso sozinho, busque ajuda. Antes, porém, procure um canto tranquilo para ficar concentrado e tente responder a questões como: quando eu comecei a fumar maconha e por quê? Com que frequência faço isso? Quais as sensações antes e depois de usar a erva? Ter consciência do que motiva você a recorrer à droga é fundamental para abandonar o vício.
  • Conheça os efeitos colaterais após um longo tempo de vício – a maconha pode causar boas sensações, mas também consequências desagradáveis e graves, capazes de permanecerem na sua vida por muito tempo. Entender o que pode acontecer auxilia na tomada de decisão. Entre os efeitos que você poderá enfrentar ao largar o vício estão: aumento nos batimentos cardíacos; falta de coordenação nos órgãos sensoriais; hiperatividade; ansiedade; irritabilidade; alucinações; variações de humor; pensamentos suicidas; agressividade e intolerância.
  • Não tenha pressa – ir devagar é importante porque, quando a dependência já existe, largar um vício repentinamente pode ser pior, devido à síndrome de abstinência. Tente criar etapas até abandonar completamente a maconha.

Por exemplo: se o seu consumo da erva é de duas vezes ao dia, que tal limitá-lo a uma vez apenas na próxima semana? Uma estratégia assim ajuda o corpo a se acostumar com menor quantidade de serotonina de um jeito mais saudável e mais fácil.

  • Lembre-se constantemente de seu objetivo – escreva em um papel ou objeto/aparelho de sua preferência: “eu quero parar”. É preciso lembrar disso frequentemente porque abandonar um velho hábito pode ser mais complicado do que imaginamos. Mantenha o compromisso consigo mesmo de melhorar, para o seu próprio bem.

A realidade, infelizmente, é que talvez, em certos momentos, você queira jogar a toalha. No entanto, os avisos colocados em lugares visíveis estarão lá para você recordar sua decisão e seguir no foco.

  • Exclua o que desmotiva você – livre-se de tudo o que está associado à maconha. Isso inclui pessoas, objetos, cartazes, filmes, músicas, enfim, o que tiver ligação com a droga de alguma forma. Deixar os elementos citados como lembranças, acredite, não será uma boa ideia, mesmo que você acredite piamente que está tudo garantido, resolvido.

Até quem gosta muito de doce e que, de repente, se vê obrigado a riscá-lo da dieta, não pode deixá-lo ao alcance dos olhos. É o tipo de provocação desnecessária que atormenta e aumenta o risco de recaída.

No começo, durante a abstinência, você pode sentir insônia, falta de apetite, fadiga, dor de cabeça e irritabilidade. Uma fase que costuma durar de 10 a 15 dias, dependendo das suas condições de saúde, idade e tempo de uso da droga.

Entretanto, busque um sistema de apoio para seguir com sua vida controlando os fatores que provocam o consumo da planta, ou seja, de tudo o que torna a vida mais difícil sem fumar. Consulte seu médico, converse com pessoas de confiança e boa sorte!

Até breve…