Cigarro

Dia Mundial sem Tabaco: Entenda a importância do 31 de Maio

Ele é celebrado em 31 de maio e todo ano traz um tema especial. Em 2017, o Dia Mundial sem Tabaco tem o seguinte alerta: “Tabaco, uma ameaça ao desenvolvimento”. Para a OMS e diversos organismos internacionais, não tem como conciliar tabaco e desenvolvimento.

E não é para menos, afinal, os dados envolvendo a indústria tabagista e as consequências do fumo são impressionantes.

Como se não bastassem todos os danos que o cigarro provoca à saúde pública, é importante lembrar dos impactos socioambientais que a produção e o consumo de produtos do tabaco trazem – e que, geralmente, são desconhecidos por muita gente.

Por exemplo: o uso de lenha no aquecimento das estufas que secam as folhas de tabaco favorece o desmatamento e desequilíbrio da biodiversidade. O que é ainda mais grave em tempos de mudanças climáticas intensas.

No Brasil, o Dia Mundial sem Tabaco é data também para trazer à tona dados sobre os prejuízos do tabagismo em nosso sistema de saúde. Estudo revela que, só em 2011, R$ 23 bilhões foram gastos para tratar algumas das mais de 50 doenças relacionadas ao tabaco.

Por outro lado, no mesmo ano, foram arrecadados R$ 6 bilhões com impostos sobre o cigarro, o produto de tabaco mais consumido.

No entanto, o cálculo das despesas que o tabagismo provoca no país, de acordo com a pesquisa, ainda é subestimado porque não inclui custos gerados pela perda de produtividade, despesas familiares, abstinência e outros gastos indiretos ligados ao fumo.

Fora isso, existem diversas denúncias de violação dos direitos humanos nas lavouras de fumo, sejam elas ligadas à mão de obra infantil ou ao trabalho penoso de adultos.

E mais: estudos comprovam os prejuízos à saúde do trabalhador em decorrência do contato com a folha do tabaco, uma vez que a nicotina absorvida pela pele durante a colheita causa intoxicação aguda.

Sem falar nos casos de agravamentos de condições como neurites crônicas incapacitantes, depressão e suicídios nos fumicultores e familiares pelo uso intensivo de agrotóxicos na produção tabagista.

No Brasil, a campanha Dia Mundial sem Tabaco é coordenada pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA). Um de seus objetivos específicos é fazer pressão junto a gestores estaduais para que haja aumento do ICMS sobre cigarros, com ajuda de coordenadores estaduais e da sociedade civil organizada.

A intenção é que parte da arrecadação do imposto seja empregada no financiamento de ações para o controle do tabaco e no tratamento do câncer.

Para os idealizadores da campanha, também é essencial reforçar a parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no sentido de lançar novas imagens de advertência dos produtos do tabaco, para que a indústria substitua as antigas.

 

Dia Mundial sem Tabaco chama atenção para epidemia global

Existe uma epidemia global provocada pelo tabaco. Ela mata cerca de 6 milhões de pessoas todos os anos – e mais de 600 mil são vítimas do fumo passivo, ou seja, não são fumantes.

Se não houver mudanças no cenário, o número de mortes passará de 8 milhões a partir de 2030, sendo que mais de 80% dessas mortes evitáveis atingirão os que vivem em países menos desenvolvidos.

Por isso, o Dia Mundial sem Tabaco 2017 trouxe mais visibilidade ao tabagismo como obstáculo para o desenvolvimento sustentável, incentivando nações a incluírem o controle do problema em suas agendas.

O consumo do tabaco gera gastos gigantescos para os países em diversos níveis, da atenção à saúde à perda de produtividade no trabalho. São inúmeros os malefícios do cigarro. O tabagismo vem sendo cada vez mais considerado fator de aumento da pobreza, fome e desnutrição.

O Dia Mundial sem Tabaco, 31 de maio, serve de alerta para a epidemia que continua sendo o maior inimigo da saúde pública que o planeta já enfrentou.

E você, já parou para pensar nisso?

Cuide-se! E até a próxima!