Cigarro

Kudzu: benefícios e propriedades medicinais

A planta kudzu é originária do Japão e oferece várias possibilidades de uso, e em diversos campos de atuação, inclusive no combate ao alcoolismo e tabagismo – conheça aqui o Nico Control, suplemento a base de kudzu que vai te ajudar a parar de fumar.

Depois de ser disseminada na China e Ásia, a espécie foi levada aos Estados Unidos, e tem sido encontrada no mundo inteiro devido seus múltiplos benefícios.

Seu nome oficial é Pueraria Lobata. Esta leguminosa de fácil cultivo é importante na medicina tradicional chinesa (que aqui chamamos de medicina alternativa) e, também, na medicina erval como um todo, que conta com defensores e usuários no mundo inteiro.

Sua propriedade mais conhecida está ligada ao controle da vontade de consumir cigarros e bebidas alcoólicas.

A kudzu pode ainda combater alergias, diarreia, resfriados, dores de cabeça fortes e doenças causadas por vírus – desde que o consumo seja feito com orientação adequada e em doses moderadas.

A planta é, para muitos, uma espécie completa, uma vez que conta com propriedades antioxidantes que dariam a ela a função de agir contra alguns tumores malignos.

Diz-se também que a kudzu auxilia nosso sistema cardiovascular, baixa pressão arterial e, portanto, ajuda a reduzir o risco de ataque do coração.

Geralmente, os benefícios da planta são obtidos pela infusão dela. Para isso, vale utilizar folhas, talos e raízes. Existem ainda as versões prontas, em cápsulas, extratos e tabletes, comercializadas em lojas físicas de produtos naturais e na internet.

Enquanto possível aliada contra o tabagismo, é preciso averiguar melhor a relação entre a kudzu e o vício em cigarros. Porém, acredita-se que exista uma espécie de sistema de alívio proporcionado por uma substância chamada pueraria, que é encontrada na planta.

E outro dado interessante é que a pueraria seria capaz de agir no acoplamento de certos elementos químicos junto aos neurorreceptores cerebrais, diminuindo o desejo de fumar.

No caso do alcoolismo, pesquisas demonstram que a kudzu interfere de um modo completamente diferente. O mecanismo seria a eliminação, no fígado, de um subproduto tóxico do álcool.

É bom que se diga que os chineses utilizam o vegetal há centenas de anos para tratar a ressaca causada pelo álcool. Na China, a erva é conhecida como ‘ge gen’, tendo sido considerada já na Dinastia Han (206 a.C. – 9 d.C.) uma das 50 mais importantes do “Cânone de Shen Nong”.

Entre os japoneses, a planta é chamada de ‘kuzu’, e possui inúmeras aplicações, da produção de alimentos à confecção de artigos têxteis e formulação de medicamentos.

Na Ásia, a kudzu serve tradicionalmente como remédio para o alcoolismo. Na medicina popular, é útil para tratamento de sarampo em fases iniciais.

Topicamente aplicada, a erva ajuda a minimizar tensão no pescoço e musculatura dos ombros.

A kudzu também auxilia na neutralização de venenos. E assada em uma panela seca é utilizada como tônico para o baço, além de combater diarreia e alcalinizar o sangue, ou seja, regular o pH e deixar o organismo menos ácido.

As consequências positivas da kudzu e da pueraria são exaltadas por muitos, mas os estudiosos ainda não contam com todas as respostas sobre a planta.

Existem relatos que colocam a kudzu na condição de moderadora de hábitos como ingerir bebidas alcoólicas e fumar. Tanto é que algumas pessoas recorrem à planta para ao menos diminuir significativamente o consumo de tais produtos ou substâncias.

Importante: é fundamental ter acompanhamento especializado ao ingerir ervas. As plantas medicinais também podem ter contraindicações, efeitos colaterais e interações medicamentosas.

Em relação à toxidade da kudzu para o organismo humano, não custa lembrar que, mesmo uma planta não tendo oficialmente recebido o título de venenosa, é essencial respeitar as doses indicadas pelos profissionais capacitados.

Fora isso, os resultados terapêuticos nem sempre são tão efetivos de uma pessoa para outra – e, em certos, podem ser perigosos.

Cuide-se! Até a próxima!