Cigarro

Malefícios do cigarro: como o tabagismo afeta a saúde e abrevia vidas

A quantidade de malefícios do cigarro é tão grande que, certamente, não caberia em uma introdução breve. E, sem dúvida, o maior prejudicado pelo hábito é o próprio fumante, mas quem convive com a fumaça também sofre.

Para começar, falo sobre as mulheres fumantes, que têm mais chances de desenvolver osteoporose, principalmente depois da menopausa. Também sobe a probabilidade de infertilidade entre elas.

O público feminino que fuma tem 39% a mais de risco de ter doenças coronarianas e 22% de acidentes vasculares cerebrais, quando o hábito está associado ao uso das chamadas pílulas anticoncepcionais. O tabagismo aumenta em 10 vezes a probabilidade de tromboembolia venosa e infarto em mulheres que tomam contraceptivos deste tipo.

Se uma gestante fumar, faz aumentar em cerca de duas vezes a possibilidade de aborto, nascimento prematuro ou perda da criança na fase neonatal.

Em geral, os malefícios do cigarro incluem ainda:

  • Aumento de frequência cardíaca e pressão arterial
  • Elevação do risco de enfermidades nas coronárias (angina do peito ou infarto do miocárdio)
  • 3 vezes mais chance de morte por infarto em homens com menos de 55 anos
  • Favorecimento do aparecimento de condições como a má circulação nas pernas e a impotência sexual
  • Triplo risco de derrame cerebral, sendo o cigarro responsável por cerca de 25% das ocorrências de AVC
  • Aumenta o risco de câncer (boca, faringe, laringe e traqueia; colo uterino, estômago, rins, bexiga e esôfago, entre outros), pois o cigarro contém mais de 4000 substâncias tóxicas. No caso do câncer de pulmão, o risco é de 10 a 20 vezes maior do que em uma pessoa não fumante
  • Interferência na cicatrização de feridas cirúrgicas
  • Prejuízo no tratamento de angina, úlcera péptica, gastrite, esofagite de refluxo, bronquite, enfisema, asma e insuficiência cardíaca
  • Faz subir a chance de complicações pós–operatórias, principalmente em obesos e idosos
  • Inflamação de gengivas
  • Escurecimento dos dentes
  • Mau hálito
  • Elevação do risco de catarata
  • Vaso constrição e redução do fluxo de sangue nos tecidos
  • Danos à camada interna dos vasos (endotélio)
  • Redução do colesterol bom, o HDL
  • Diminuição na liberação de oxigênio para os tecidos
  • Aumento n a acidez do estômago
  • Irritação e inflamação nos olhos, garganta e vias aéreas
  • Estímulo à produção de radicais livres – que danificam as células
  • Aceleração da arteriosclerose

As doenças respiratórias merecem um destaque maior…

A fumaça do cigarro contém substâncias que agridem os cílios das vias aéreas. Com isso, há prejuízo em um processo essencial para o bom funcionamento delas, a eliminação de muco e catarro.

E mais: com a idade, o tabagismo contribui na redução da capacidade respiratória e no surgimento de condições como falta de ar, tosse, chiado, bronquite crônica e enfisema (DPOC), além de rouquidão, distúrbios da voz, crise de asma e infecções.

Um fumante vive em média 10 anos a menos que um não fumante. Os danos causados pelo tabagismo podem ser imediatos e acumulativos, comprometendo a saúde global e elevando as chances de aparecimento de enfermidades diversas.

Quanto mais cedo o começo do uso de drogas acontece, mais probabilidade uma pessoa tem de virar um usuário regular e ter problemas em consequência disso.

Na infância e adolescência, o cérebro ainda está imaturo e, portanto, mais propenso a atrasos no seu desenvolvimento e prejuízos cognitivos.

O cigarro está entre as principais causas de morte preveníveis em todo o mundo. As doenças causadas pelo fumo são responsáveis por aproximadamente 6 milhões de óbitos por ano, ou seja, 14 mil por dia ou 1 morte a cada 6 segundos.

A lista de malefícios do cigarro é extensa e assustadora. Mas há sempre razões para parar de fumar, e quanto mais cedo abandonar o vício, melhor para a saúde!

Nunca é tarde! Converse com seu médico para ver os melhores métodos e tratamentos.

Boa sorte! Até breve…