Cigarro

Teste de Fagerström: indica nível de dependência da nicotina

O Teste de Fagerström ajuda avaliar o grau de dependência da nicotina, sendo, portanto, uma ferramenta útil antes de começar um tratamento para largar o cigarro.

Por exemplo: quando uma pessoa apresenta acima de 6 pontos no Teste de Fagerström ou se há histórico de síndrome de abstinência na privação do tabaco, o nível de dependência é elevado. Geralmente, o indivíduo acaba recebendo indicação de uma Terapia de Reposição de Nicotina.

Quem fuma sabe como é difícil abandonar o tabagismo. E alguns têm mais dificuldades que outros. Quanto mais cigarro fumar diariamente, mais presos a ele ficamos.

É fundamental medir a dependência da nicotina porque ela mantém o vício e causa os sintomas naqueles que tentam parar de fumar, levando cerca de 90% das pessoas a retornarem ao vício dentro de um ano.

O Teste de Fagerström é um dos métodos mais empregados na avaliação de dependência de nicotina. Ele traz seis perguntas sobre frequência, horários e intensidade do fumo. Veja como é o questionário:

1. Quanto tempo após acordar você fuma seu primeiro cigarro?

Dentro de 5 minutos (3)
Entre 6 e 30 minutos (2)
Entre 31 e 60 minutos (1)
Após 60 minutos (0)

2. Você acha difícil não fumar em lugares proibidos como igrejas, bibliotecas, etc.?

Sim (1)
Não (0)

3. Qual o cigarro do dia que traz mais satisfação?

O primeiro da manhã (1)
Outros (0)

4. Quantos cigarros você fuma por dia?

Menos de 10 (0) _________
De 11 a 20 (1) _________
De 21 a 30 (2) _________
Mais de 31 (3) _________

5. Você fuma mais frequentemente pela manhã?

Sim (1)
Não (0)

6. Você fuma mesmo doente, quando precisa ficar de cama a maior parte do tempo?

Sim (1)
Não (0)

Conclusão sobre o grau de dependência:

• 0 a 2 pontos: muito baixo
• 3 a 4 pontos: baixo
• 5 pontos: médio
• 6 a 7 pontos: elevado
• 8 a 10 pontos: muito elevado

 

Teste de Fagerström: Como seus dados podem ser analisados

 

Existem versões do Teste de Fagerström que são uma espécie de calculadora. Basta clicar nos campos e, ao final, esperar o resultado do cálculo.

Se a pontuação é de 0 a 1, a dependência da nicotina é considerada fraca. Possivelmente, o fumante apresentará leves sintomas da síndrome de abstinência. Raramente, pessoas com este resultado no Teste de Fagerström precisam de ajuda para largar o cigarro.

Com 2 a 3, há sintomas mais acentuados ao abandonar o fumo. No entanto, ainda é possível deixar o tabaco de modo espontâneo, com acompanhamento/tratamento para auxiliar.

Cerca de metade dos tabagistas apresenta pontuação até 3. O aconselhamento mínimo é, normalmente, suficiente para abandonar o vício em condições assim.

Já na pontuação 4 – 5 no Teste de Fagerström, temos um grau acima da média; os sintomas de abstinência costumam ser fracos e, com frequência, os resultados do tratamento são positivos.

Subindo para 6 a 7 pontos, existe uma intensidade maior de dependência da nicotina, assim como, também, dos sintomas e sinais da abstinência.

É quando o fumante apresenta danos mais elevados à saúde, precisa de um tratamento mais enérgico e prolongado que o habitual. Isso inclui, muitas vezes, suporte psicológico – em especial quando existe muito estresse e alta ingestão de álcool.

Quando a soma fica acima de 6 pontos, provavelmente, haverá maior desconforto ao abandonar o cigarro.

Caso o Teste de Fagerström tenha como resultado de 8 a 10 pontos, a dependência da nicotina é considerada incontrolável, além de a pessoa demonstrar grave quadro da síndrome de abstinência.

São imprescindíveis o auxílio psicológico e o tratamento medicamentoso, em geral, com vários remédios associados. Infelizmente, as respostas, na maioria das vezes, não são boas.

Reconhecer a existência do vício é o primeiro passo para dar fim a ele. O Teste de Fagerström pode ser o pontapé inicial para você que está pensando em largar o cigarro.

Mas lembre-se: o conteúdo deste post tem função de informar. Apenas um médico pode decidir o que é melhor para cada pessoa e prescrever tratamentos de acordo com a situação específica.

Cuide-se! Até breve…

Leave a Comment